Get Adobe Flash player

Suposto reencontro - (15ª Reflexão )

Maria, mulher bonita, prendada, caseira e muito dedicada à sua família.  Casara muito jovem, ainda que conhecera seu marido aos treze anos. O amor era a palavra de ordem a ambos. Como toda moça casadoira, mal podia esperar a aquiescência dos pais para que o enlace se fizesse perfeito e, no dia do seu aniversário em que completara dezoito anos casou. Corações foram partidos, esperanças despedaçadas, uns até diziam: - É, não dou um ano. Outros ainda: - Tão jovem, poderia ao menos viver antes de padecer pelas tentações. E por ordem dos extremistas: - Está vendo que para cada gradação do belo tem que haver correspondência de suas matizes. O fato dizia por si Maria estava casada e não seria por forças dos empreiteiros da má vontade que agora haveria dissolução.

Não  fora moça de muitos namorados talvez por isso havia tanta incerteza quanto ao casamento.

Estava convencida a viver a dois até que a morte os separasse. Mas... um dos reveses da vida é pegar-nos em situações de fragilidade principalmente sentimental e, tudo que é novo seduz não seria diferente com Maria.

Quis o destino que se reencontrassem e numa bela noite de novembro os olhares se confundiram trazendo a lembrança dos áureos tempos que passaram juntos. É como viver em ritmo cinematográfico, o reconhecimento foi imediato. Nesse momento uma sensação de liberdade tomou conta dos dois. Doravante tudo se faria para novamente juntos eternizar o amor que supostamente perdeu-se nos confins das vidas.

Existe uma enorme barreira nessas vidas, sua transposição neste plano não está evidente uma vez que Maria faz parte do rol de pessoas que comungam seus afetos a outras afim de resgatar ou fazer resgatar-se as ações do passado. Entregar-se ao destino agora doeria muito menos no corpo do que no umbral da consciência face ao seu comprometimento; dar-se agora não justificaria esse reencontro. Esperar, saber esperar; ter como aliado a paciência. Mesmo que lágrimas de desespero afora descesse do seu rosto, Maria era o símbolo da serenidade mas às vezes contrariava o bom senso e o via como duplo na sua casa, mentalizava-o e sua forma ficava tangível, tudo na sua mente fértil. O mesmo se passava com ele pois sozinho se encontrava para lutar contra seus desejos.

Ele não queria mais vaguear pela vida indultando-se a cada novo amor e depois retornar ao nada e recomeçar fazendo parte de um círculo. Não podia patinhar nos seus erros e perdê-la novamente, não! Daria  o  passo certo na hora certa nesse objetivo. Então a voz do seu silêncio era apenas colóquios solitário, e assim pensava:

- É fato que um romance começa pelos dotes físicos quando não existe alguma razão, pois a simultaneidade dos sentimentos é sem dúvida  de ordem espiritual basta um olhar para o reconhecimento. É o que se diz de nobres deidades quando apaixonam-se por vis seres sem nenhum escrúpulo. Na verdade o arquétipo de ambos identificam-se apesar que transparentes no véu da carne.

- Dizem que os sonhos são vontades reprimidas outros acham que é a alma daquele que “sonha” em visita à alma desejada eu acho que as duas visões desse realismo se coadunem.

Ontem eu a vi, estava tão bela com seu filho nos braços  esboçando um sorriso fraterno e olhando com carinho para uma imagem inerte de saudades. Nesse momento uma revolução nos meus sentimentos se fez sentida,  por apenas um minuto minha fantasia de semanas se tornou tangível  dada minha busca do ser amado.

E mais uma vez estou frente a frente com meus pensamentos, anseios e vontades.

Noites mal dormidas pensamentos abstratos.

É hora de estar comigo mais uma vez fechar os olhos e voltar para meu mundo.

Você aparece do nada, sabe-se que há um propósito, eu a procuro em pensamento! Você está em minha casa me fazendo companhia e isso é importante, mas o medo também se faz presente.

Mesmo que você não seja minha alma gêmea, deste momento em diante passarei a acompanhá-la por toda a eternidade aprendendo e ensinando e vivendo. Sei que você me faz bem e com certeza será a luz da minha vida.

Pela manhã é tão gostoso sentir seu perfume mesmo que sua essência esteja guardada num envelope.

Hoje, a única lembrança que tenho é apenas um quadro, um quadro gravado na minha mente dos momentos, até tensos, que ficaram. Não suportei a princípio a idéia era grande demais mas com o tempo fui vendo que o que nos é destinado nos é dado ver pelos olhos da alma. Lutar com sabedoria pelo propósito não nos desmerece o real valor da conquista.

 
Banner