Get Adobe Flash player

Limpeza dos bicos injetores

É que algumas oficinas estão apelando para o antes que seu carro falhe e lhe deixe na mão, submeta-o a uma limpeza dos bicos injetores. Outras incluem o “serviço” na conta do cliente, que levou o carro para uma checagem geral, sem ao menos consultá-lo. Tenha cuidado, pois a limpeza das válvulas injetoras somente é necessária em alguns casos específicos. Saiba quais são esses casos, como funciona esse componente e a opinião de algumas montadoras de automóveis e fabricantes de bicos.

O que é bico injetor

É um componente do sistema de alimentação do motor. A válvula injetora, que é chamada popularmente de bico, tem a função de pulverizar o combustível no coletor de admissão ou diretamente na câmara de combustão. Nos motores à gasolina, os bicos funcionam por meio de eletroímãs, comandados por uma central eletrônica. São componentes de extrema precisão, pois dosam o combustível de acordo com a necessidade do motor, desde a marcha lenta até os regimes de potência máxima.

Magneti marelli

Segundo Eduardo A. Campos, gerente comercial da empresa fabricante de válvulas injetoras, não há necessidade de limpeza preventiva dos bicos. Somente recomendamos que, nas revisões programadas pelo fabricante do carro, seja verificados os parâmetros de funcionamento dos injetores. Se não houver nenhum inconveniente, não é necessária a limpeza, esclarece.

Bosch

A Bosch, fabricante de válvulas, faz distinção entre “bicos novos” (produzidos a partir de 1996) e “antigos” (fabricados antes de 1995). Os antigos são suscetíveis à formação de depósitos e, na ocasião, o combustível brasileiro, de má qualidade, potencializava o problema. Os novos não têm necessidade de espécie alguma de limpeza.

Fiat

A limpeza não é um item da manutenção preventiva programada. Ela é recomendada somente quando há problema de funcionamento irregular do motor, esclarece Carlos Henrique, engenheiro da Fiat Automóveis.

Volkswagen

Segundo Paulo Sanches, gerente de assistência técnica daquela montadora, a VW não recomenda a limpeza, como manutenção preventiva. Somente se o carro apresentar alguma anomalia e, mesmo assim, depois de uma verificação completa no sistema de injeção.

General motors

A GM do Brasil não recomenda a limpeza dos bicos injetores e esse procedimento não consta no plano de manutenção preventiva dos veículos Chevrolet.

Ford

Também não recomenda a limpeza dos bicos em quilometragem alguma, sob a alegação de que os mesmos são autolimpantes. É a única montadora que explica isso no Manual do Proprietário do carro.

Quando fazer

Algumas montadoras e os dois fabricantes de válvulas injetoras citaram alguns casos nos quais a limpeza dos bicos poder ser recomendada, mesmo assim depois de um diagnóstico mais completo. Um deles é o abastecimento prolongado com combustível adulterado, cujos sintomas são: funcionamento irregular do motor, consumo elevado, perda de potência ou dificuldade de partida a frio. Outro problema corriqueiro é o entupimento do bico, devido ao acúmulo de partículas no seu filtro ou bloqueio (aberto ou fechado), provocado pela entrada de corpos estranhos em seu interior.

Tipos de limpeza

Os bicos podem ser limpos de duas formas, a saber: com o sistema montado ou desmontado. A limpeza, no primeiro caso, é feita por meio de um líquido, que é injetado na galeria, com o motor em funcionamento. No segundo, é feita com os bicos desmontados. Nesse caso, o engenheiro Eduardo Campos, da Magneti Marelli, recomenda que, além das válvulas, também sejam limpos os componentes periféricos que tenham contato com as mesmas (galeria de combustível, também

chamada de flauta ou fuel rail; coletor de ar; cabeçote do motor, no caso do bico estar montado fora do coletor de ar; e regulador de pressão). Segundo os engenheiros da Bosch, o método que apresenta melhores resultados é o de limpeza por ultra-som.

Bico injetor - Fim da picaretagem?

Boris Feldman - Estado de Minas Montadora afirma ser desnecessária a limpeza de bicos, desmascarando concessionárias que a incluem nas revisões periódicas. Está mais complicado as oficinas das concessionárias enganarem seus clientes ao incluir a "limpeza de bicos injetores" na relação de serviços das revisões periódicas, pois já há pelo menos uma montadora afirmando objetivamente, no manual do proprietário, que a operação é desnecessária. A receita para o faturamento desonesto é simples: como o automóvel deve ser levado à oficina autorizada para uma revisão "gratuita" sob pena de perder a garantia do fabricante, os recepcionistas (consultores técnicos) são instruídos a incluir - entre os itens previstos no manual - outros serviços rigorosamente desnecessários, como a tal limpeza de bicos. Outros preferidos das concessionárias são a descarbonização (que algumas chamam de descontaminação) do motor, higienização do ar-condicionado, limpeza do sistema de refrigeração, troca do fluido de freio, reaperto geral, lubrificação de portas e maçanetas, etc. Alguns devem ser realizados de fato, mas jamais na revisão de 10 ou 15 mil quilômetros. A limpeza de bicos e a descarbonização, por exemplo, raramente são necessárias. A conseqüência desta enrolação é que uma revisão obrigatória, que deveria custar cerca de R$ 200 a R$ 300, acaba beirando ou ultrapassando os R$ 1 mil. Reprodução/Manual da Ford Conforme manual do Ford Focus Flex, limpeza de bicos é dispensável.

No manual

As oficinas das concessionárias, para convencer os motoristas a aprovar o serviço, costumam alegar que a recomendação parte da própria montadora. Como ninguém confere no manual se o item está relacionado ou não, o serviço acaba sendo autorizado. Mas agora, pelo menos uma montadora, a Ford, preocupou-se com o bolso do consumidor e resolveu ser objetiva em seu manual, afirmando expressamente não ser necessária a limpeza de bicos injetores nas revisões periódicas, pois eles são autolimpantes. A explicação dos engenheiros das montadoras é que os bicos (o nome técnico é válvula injetora) são submetidos a pressões elevadíssimas na passagem do combustível e, por isso, é difícil ou quase impossível a formação de resíduos em seu interior. Afirmam também que existe de fato a possibilidade de problemas nos bicos, mas que, neste caso, a solução é quase sempre sua substituição. Além disso, a eventual limpeza de bicos só é necessária caso o motor apresente um problema de desempenho: difícil de pegar, marcha lenta irregular ou com variação de rotações. E nunca "preventivamente", como insinuam os consultores.

E as outras?

Se vale para a Ford, vale para as outras montadoras, por um simples raciocínio: existem duas grandes fabricantes de sistemas de injeção (que incluem os bicos) no Brasil, a Bosch e a Magneti Marelli. Que fornecem para a Ford e também para outras marcas. Portanto, a observação da Ford em seu manual vale para praticamente todos os demais modelos. Quando um automóvel é levado para a revisão periódica e a concessionária inclui no orçamento algumas operações não previstas pela montadora, o dono deve negar e não autorizar sua execução, para evitar pagar por um serviço totalmente desnecessário. Se a oficina insistir, basta pedir que seja verificada a relação oficial de itens prescritos para a revisão.

Empurroterapia

Muitas concessionárias aplicam uma fórmula simples de estimular os recepcionistas da oficina a empurrar serviços desnecessários no momento em que o carro é levado para a revisão: eles são comissionados pelo faturamento conseguido à custa do desconhecimento do cliente. A limpeza de bicos é justificada pela gasolina adulterada e a descarbonização (ou "descontaminação") fica por conta do excesso de enxofre ou do óleo lubrificante. Até na hora de receber o carro zero quilômetro o cliente é vítima de golpe baixo: é quando se tenta enganá-lo com o "espelhamento" da pintura, totalmente inútil e que prejudica a camada protetora aplicada pela montadora quando o carro deixa a linha de montagem.

 
Banner